Barra de vídeo

Loading...

6 de ago de 2010

UM SÓ CORAÇÃO

"Da multidão dos que criam era um só o coração e uma só a alma, e ninguém dizia que coisa alguma das que possuía era sua própria mas todas as coisas lhes eram comuns" (Atos 4, 32).

Quero dar continuidade ao assunto do boletim do Domingo passado - COMUNHÃO. Assunto que precisa ser de nosso interesse permanente e da nossa prática de vida enquanto Deus nos permitir viver neste mundo. Gosto de pensar na Igreja primitiva como referencial para refletirmos em nossa postura nos dias de hoje. Aquela não era uma igreja perfeita pois a sua história nos dá conta que haviam crentes mentirosos(5:2) murmuradores (6:1) preconceituosos (11:2) e muito mais. Entretanto, embora distante do ideal, a lembrança sempre será necessária para não perdermos a referência de uma igreja que marcou a história com um tremendo exemplo de amor entre os crentes, na comunhão e no repartir do pão, nos contínuos milagres e manifestações dos dons espirituais, no carinho com os fracos na fé, no cuidado com os novos crentes e na simpatia e respeito da sociedade.

Vale a pena refletir sobre essa igreja do passado para avaliar nossa postura no presente e investirmos na busca de melhorar nossa qualidade de vida.

Que lições práticas podemos tirar para que tenhamos a convicção de que estamos agradando a Deus como igreja? Antes de qualquer coisa entendo que a grande marca dos crentes primitivos está registrada no verso 43 do capítulo 2: "em cada alma havia temor" - este o grande segredo do sucesso da comunidade cristã do primeiro século, que nos ensina como vencer o Diabo e suas ciladas, as tentações da carne e o mundo com os seus prazeres. Quando tememos a Deus e respeitamos os princípios da Sua Palavra, somos levados a buscar a santificação: "Sede santos" (Lv 11:44)
e "santificai em vossos corações a Cristo como Senhor" (I Pe 3:15). Esta deve ser a nossa primeira preocupação e prioridade: a comunhão com Deus e esta união requer separação do pecado. É a partir desse princípio que descobriremos a necessidade de vivermos em comunhão uns com os outros. Quando tememos e obedecemos a Sua Palavra, evitamos as divisões que vem das opiniões, doutrinas e esquemas humanos. Somos desafiados a suportarmo-nos uns aos outros em amor e a buscarmos a todo custo viver em paz e harmonia. Isto requer um trabalho duro, árduo, perseverante e repleto de renúncias mas vale a pena tentar. Não é imposto por regras ou doutrinas humanas mas pelo ensino e conscientização das verdades divinas as quais nos ensinam que a verdadeira comunhão representa a unidade espiritual que liga os crentes ao Senhor Jesus e uns aos outros.

Temos interesses comuns e precisamos continuar amadurecendo no ideal de ser uma igreja unida, buscando descobrir o segredo de uma comunhão significativa pois assim, juntos, não haverá brechas para o inimigo e haveremos de experimentar grandes vitórias em nome do Senhor Jesus. Diz a Palavra: "Era um só o coração e uma só alma" Se firmarmos este propósito, Ele nos abençoará e nos ajudará a descobrir que JUNTOS SOMOS MELHORES!

Pr. Geovani Colares Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário