Barra de vídeo

Loading...

29 de out de 2009

Até aqui nos ajudou o Senhor

Este é um momento significativo e muito especial para todos nós. Deus nos dá o privilégio e a alegria de celebrarmos nosso quadragésimo aniversário de organização voltando o olhar para nossa trajetória e podendo dizer com júbilo: “Até aqui nos ajudou o Senhor”. É inegável que no caminho percorrido houve momentos de tristezas, dificuldades e obstáculos como desafios para nossa caminhada, mas prevaleceu a mão forte do Senhor da Igreja, dando sempre a melhor solução para alcançarmos as vitórias que hoje podemos contar. Louvado seja o bendito nome do Senhor!
Mas é tempo de avançar. Olhar com gratidão o passado, o que Deus tem realizado através da igreja, mas ter uma percepção clara de que o futuro nos aguarda com muitos caminhos a percorrer. Cada dia que passa, os desafios se tornam maiores e mais difíceis de serem enfrentados e precisamos com temor e tremor nos colocar nas mãos de Deus, humildemente, para que continuemos buscando a excelência na proposta de uma igreja saudável, “Igreja do Deus vivo, coluna e esteio da verdade”.
Para tanto, neste tempo de celebração, refletindo em tudo quanto o Senhor nos tem concedido como indivíduos e como igreja, é de suma importância renovarmos o nosso compromisso com Deus e com a família, fazendo deste marco histórico um momento de tomada de atitudes que haverão de fazer a diferença que o mundo espera. O apóstolo Paulo escrevendo a igreja de Roma (Rm. 8:19), diz que “O mundo aguarda com intensa expectativa a manifestação dos filhos de Deus”, e alguém já disse que o mundo não irá ler Mateus, Marcos, Lucas ou João, mas lerá você e a mim. Somos, assim, o quinto evangelho e a igreja é a comunidade dos santos, que no seu compromisso de vida, exala o bom perfume de Cristo.
É tempo de refletirmos que tipo de crentes temos sido, que tipo de igreja temos ajudado a construir, qual e como tem sido a nossa participação no propósito de Deus em salvar pessoas do inferno.
Com estas avaliações no coração, coloquemo-nos diante do Senhor, com o sentimento de muita gratidão e também com o grande desejo de que Ele continue nos usando para abençoar esta comunidade e a nossa querida cidade de Belford Roxo. Para isto, precisamos reconhecer em primeiro lugar a necessidade de nos comprometermos por inteiro com o Senhor, fazendo Dele o centro gravitacional de nossa vida; existindo em função Dele e para Sua Glória; vivendo em total dependência Dele. Em segundo lugar, vivenciar o verdadeiro compromisso de uns para com os outros, isto é, reconhecer a nossa interdependência. A igreja é um organismo vivo e como tal não pode existir nenhuma parte isolada em seu relacionamento com as demais. Precisamos uns dos outros para a grande tarefa que Deus nos confiou – mostrar ao ser humano que há esperança – e assim unidos, haveremos de cumprir este sublime encargo em nome do Senhor Jesus.
Parabéns aos membros fundadores que enfrentaram perseguições e acreditaram na construção de uma obra que continuará até a volta de Cristo; parabéns às lideranças que deixaram marcas de profícuo trabalho ao longo destas quatro décadas; parabéns a todos quantos, direta ou indiretamente, têm contribuído para chegarmos até aqui. Que o Senhor nos abençoe! E a Ele, toda honra, glória e louvor! Amém.

23 de out de 2009

SEMEANDO COM SABEDORIA

São grandes os desafios da obra missionária em nosso País. Na conquista da Pátria para Cristo três grandes alvos nos impulsionam à ação: a Plantação de igrejas, o Evangelismo e Discipulado e a Ação Social.
São três áreas, com um mesmo objetivo: alcançar vidas para Jesus, levando o amor e a Palavra de Deus aos corações.
Essa chama precisa estar acesa em nossos corações. Muitas vidas ao nosso redor estão sedentas de amor e da Palavra de Deus.
"O semeador saiu a semear..." (Mt 13.2). Precisamos semear, distribuir frutos e não apenas sementes. Produzindo o fruto do Espírito, distribuímos a mensagem de Deus em tudo o que fazemos.
Podemos alcançar os incrédulos, os miseráveis, os marginalizados, os famintos ou os excluídos com a pregação, oferecendo-lhes uma Bíblia, mas o melhor caminho é demonstrar amor, o que pode ser traduzido em atenção, carinho, afeto, alimento, abrigo, roupa, emprego, educação, tratamento de saúde... Afinal, o amor é a essência do próprio Deus, e sempre haverá ao nosso lado alguém necessitado.
Jesus em sua passagem pela Terra atuou onde havia necessidades, atuou de acordo com as necessidades, demonstrou genuína compaixão.
Jesus viu a multidão faminta, e disse aos discípulos: "dai-lhes vós de comer" (Mc 6.37); multiplicou os pães e os peixes e alimentou a todos. Os discípulos distribuíram o que Jesus lhes entregou. Quanto nos tem sido entregue? Temos distribuído? Também Ele não se tornou provedor daquele povo. Como indivíduos e como igreja precisamos socorrer os que estão em emergência, e depois ensinar-lhes um meio de sustento próprio. A obra social é uma frente de trabalho que a igreja não pode negligenciar.
Que Deus nos ajude para que, a cada dia, tenhamos o fruto certo para entregar a quem de nós se aproximar. Que o Senhor faça germinar a divina semente em cada coração.
(Transcrito da revista da campanha - JMN)

13 de out de 2009

"USE TODA A SUA FORÇA"

Um menino tentava em vão levantar uma sacola pesada demais para ele. Seu pai, ali ao seu lado, esticava o braço e abrindo a mão, dizia-lhe: "Use toda a sua força que você consegue, meu filho." Ele tentou mais uma ou duas vezes, sem sucesso. E o pai falava as mesmas palavras e repetia o mesmo gesto.
"Eu não consigo, pai", desabafou o menino. "Olhe para mim, filho!", disse o homem e, mexendo os dedos e olhando para sua mão, repetiu vagarosamente, "use... toda... a... sua... força!" Só então o menino entendeu que o pai estava esticando a mão para pegar numa das alças da sacola. Ele não estava só. Seu pai estava ali ao seu lado para lhe dar uma força.
Você já passou por momentos em que acha que está só? Que não vai conseguir, que suas forças estão se acabando... Vem a vontade de desistir e deixar o barco ser levado pelas ondas.
Talvez seja na sua família, no seu casamento, no trato com os filhos, no namoro, no trabalho, nos estudos, nas dividas, na enfermidade, na crise de relacionamento... parece que o peso é tão grande que nós dizemos para Deus "não aguento, Pai, não consigo...". E então é neste instante que o Pai diz-nos: "Olhe para mim, filho! Use toda a sua força!" E nos estende a mão, carrega o peso conosco! Não estamos sozinhos. O Salmo 27.1 diz: "O Senhor é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei?"
Eu e você, irmão(ã), não somos fortes o bastante para vencermos as intempéries da vida. Mas se usarmos toda nossa força, e aí está incluída a força do Senhor ao nosso lado, então poderemos todas as coisas! Use toda a sua força!
Temos diante de nós um desafio enorme: conquistar a Pátria para Cristo. Precisamos evangelizar e discipular cada pessoa em solo brasileiro, a começar de agora, aqui onde nós estamos.
Nosso inimigo está feroz, armando ciladas e pondo obstáculos, tentando nos desanimar, querendo nos convencer de que o peso é grande demais, que não podemos suportar. Então, devemos ouvir a voz do Senhor que diz: "Use toda a sua força! Olhe para mim, meu filho! Eu estou com você!".
Se olharmos para nós mesmos, diremos a Deus que não conseguiremos, não temos forças, não temos recursos, não temos condições... Mas Deus, que tem abençoado tão tremendamente os seus filhos, nos fará ver que temos a força do Senhor dos Exércitos, o Todo-Poderoso, o Senhor Soberano dos céus e da terra! Ele nunca nos desamparará. Não faltarão os recursos. Não deixará de nos abençoar no cumprimento de nossa missão!
Não temos motivos para vaidade ou orgulho, mas temos para sermos gratos, pois Deus nos escolheu, neste tempo, para sermos uma geração missionária. Então, use toda a sua força!
(Transcrito da revista da campanha - JMN)

5 de out de 2009

TODA CRIANÇA PRECISA DE CUIDADO

Ao Iniciar outubro, logo nos vem à memória o dia 12, onde comemoramos o Dia das Crianças. Junto com ele também vem toda uma preocupação em torno da data festiva, dos presentes pedidos e, na maioria das vezes, recebidos. Porém, como cristãos “antenados” na Palavra de Deus, precisamos ampliar essa preocupação em torno das crianças.
O texto de Mateus 18.14b nos diz: ” o Pai de vocês, que está nos céus, não quer que nenhum destes pequeninos se perca.” Ao analisarmos esse versículo e todo o contexto que o envolve, podemos trazê-lo para os nossos dias com uma responsabilidade ainda maior o cuidado para que a criança não se perca em nenhum de seus aspectos, não somente o espiritual.
Então, quais são as necessidades de nossas crianças hoje? Poderia enumerar uma lista quase sem fim, mas gostaria de trazer à tona apenas algumas delas:
1. Respeito à sua faixa etária - Ela não pode ser forçada a alcançar posições que sua maturidade não permite e nem ser obrigada a fazer coisas para satisfazer aos adultos e suas ansiedades;
2. Segurança em todos os aspectos: físico, emocional, espiritual e social;
3. Disciplina administrada de forma amorosa;
4. Aceitação - Ela precisa ser aceita e valorizada como é, do seu “jeitinho”;
5. Amor - Amar e ser amada produz a sensação de pertencimento que produz a segurança necessária para enfrentar a vida. As pessoas amadas sabem que são mais importantes que as coisas. Nossas crianças sabem e sentem que são amadas?
6. Deus - A maior parte das orientações é comunicada com o exemplo. Nossas crianças vêem Deus em nós?
O objetivo maior do Ministério Semear (Ministério Infantil da IBCBR) é levar as crianças a terem experiências com Jesus. Nossa preocupação não é simplesmente apresentá-las a Jesus, mas oportunizar um relacionamento íntimo, real e pessoal das crianças com o Mestre. E isso se dará a partir do momento em que cuidamos de cada uma delas como um ser holístico, com aspectos espirituais, sociais, emocionais e físicos.
Nós como igreja, precisamos nos atentar às suas necessidades básicas para que elas possam ter condições de realmente experimentarem esse relacionamento de forma plena.

Anastacia Monteiro Raul Lima
Ministério de Educação Infantil