Barra de vídeo

Loading...

25 de mai de 2011



“Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou” (Rm. 8.37)
Estamos encerrando esta semana, uma série de mensagens e estudos sobre a família, que têm sido sobremaneira edificantes para nossa igreja, desafiando a avaliarmos nosso desempenho como família e a nossa relevância na sociedade em que vivemos. Precisamos dar respostas às seguintes perguntas: O que será que os outros, os não crentes esperam de uma família cristã? E o que Deus espera de nós? Vivemos o eterno conflito do “estar no mundo sem ser do mundo” (Jo. 15.19). Diante disso precisamos pensar em dois aspectos básicos que devem fazer parte do nosso viver:
1. Somos uma família como qualquer outra. Ou seja, somos uma família normal. Temos direito de nos angustiar, quando alguma coisa nos aflige; chorar, quando estamos entristecidos; sorrir, quando há alegria; divertir, quando há motivo para isso.
Vivemos a experiência da vida dentro dos parâmetros normais da humanidade que em nós ainda falam alto e por isso: Amamos, cantamos, gritamos, corremos, saltamos, nos cansamos, comemos, bebemos e dormimos.
Somos o que somos nos louvores ou nos foguedos; nas ambições ou nos fracassos; nas conquistas ou nas esperas. Enfrentamos as filas; o aperto do salário pequeno; a Dor da perda de um ente querido; as derrotas do time de futebol; o cansaço de um dia fastiento; as inseguranças de um filho; as doenças de um familiar e muito mais.
Ser família para nós possui todos os componentes naturais de uma família moderna que precisa acordar cedo para o trabalho ou a escola que precisa ser responsável e ter o seu ganha pão, que precisa imbuir de esperança, coragem e forças para enfrentar todas as vicissitudes da vida. Nada foge à regra da existência comum debaixo desse sol que continua sempre o mesmo: a brilhar e a aquentar maus e bons desde a fundação dos tempos (Ec. 1.9)
2. Somos uma família de uma forma diferente. Quer dizer, não dá para anunciar que somos salvos, que temos Cristo como Salvador pessoal e não mostrar para o mundo e para a vizinhança de forma especial, a nova vida em Cristo. É preciso que nossa vivência familiar, na rua em que moramos e no bairro de nossa residência demonstre alguma coisa diferente que é exatamente a presença restauradora de Cristo em nós.
Somos famílias normais, mas famílias que se pautam por um diferencial: o Reinado de Cristo sobre nós. Famílias onde há lutas, há dificuldades; mas há força de vontade, há comunhão, há harmonia, há desejo de superação, há expectativas, tudo isso a partir da atuação vitoriosa de Deus em nossa vida.
As pessoas lá fora, quando têm problemas enchem a cara de cachaça, se drogam, se prostituem e tornam suas vidas mais caóticas ainda. Nós, pela presença do Espírito de Deus enfrentamos as crises familiares com os joelhos no chão, em oração; com dependência de Deus, em submissão a sua vontade.
Temos este grande desafio de compreender o nosso papel como famílias cristãs, viver o evangelho condignamente e ser sal e luz para aqueles que precisam do nosso testemunho para se encontrar com Deus.
Isto nos faz famílias vencedoras pelo Poder no Nome de Jesus. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário