Barra de vídeo

Loading...

5 de mar de 2010

PARÁBOLA DO GRÃO DE MOSTARDA

Nunca vi um grão de mostarda e muito menos sua árvore! Na época de Jesus ele era bem conhecido. A comparação do Reino de Deus com esta pequena semente, segundo Marcos 4, 30-34, tem tudo a ver com nossa realidade no Senegal. Jesus ensina que, no seu Reino, o pequeno tem muito valor.

É preciso estar bem atento aos valores do Reino de Deus. O Deus que reina é soberano, grande, todo poderoso, majestoso... mas também é aquele que estabelece seu reino com bases duradouras, e que muitas vezes são bem pequenas.

Olhar para um grão de mostarda de hoje e crer no que ele pode ser amanhã; é um desafio aos nossos padrões modernos de fazer missões. Uma árvore não cresce de um dia para o outro. A numerologia evangélica brasileira tem nos feito adoecer. Quando vemos alguns números, megaeventos, imaginamos que aí está nossa força. Que engano!
O Reino de Deus dá seus sinais como um grão de mostarda. Com o tempo, o que nem era visto torna-se visível e frutífero. Assim é o Reino.

Aqui no Senegal, onde o reino das trevas é maioria, estamos como grãos de mostarda. Meu coração enche-se de alegria e esperança com esta parábola. É Deus dizendo todos os dias: “Semeie, cuide, plante e trabalhe que a árvore virá”.

Nosso projeto chama-se “Fábrica de Esperança”. É um trabalho nas áreas de saúde e esporte numa comunidade carente. A escolhinha de futebol tem quatro anos e inauguramos o Centro Médico Esportivo no ano passado. Temos contato diário com esta comunidade, de predominância muçulmana. São pessoas que temos aprendido a amar e respeitar. Investindo tempo nos atletas e seus familiares, trabalhando para que tenham boa saúde, educação e esperança de um futuro melhor.

Em meados de 2009 fomos convidados por um projeto evangélico com meninos de rua, para fazer um jogo amistoso. Os adolescentes desse projeto foram recuperados das ruas e hoje servem a Jesus. Vencemos por 5 a 1, mas o melhor estava por vir: após a partida eles nos levaram para uma sala para comermos juntos.

Antes, porém, aqueles meninos fizeram um programa com música, teatro e testemunho. Eles fizeram tudo, não foram os missionários. Ouviram na sua própria língua o que Deus fez naqueles outros meninos. Meu coração pulava de alegria, vendo aqueles grãos de mostarda sendo semeados! Ainda não são árvores, mas, em nome de Jesus um dia serão.

Dr. Humberto Chagas,
Missionário de Missões Mundiais em Dacar – Senegal.

(Transcrito da Revista: Pastor Missionário - Campanha de Missões Mundiais, 2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário