Barra de vídeo

Loading...

16 de dez de 2012

O HOMEM QUE DEUS ESCOLHEU


      Que tipo de homem Deus escolheria para criar seu único Filho, Jesus Cristo, o Salvador do mundo? Será que o homem precisaria exercer grande influencia? Amealhar enorme poder político? Acumular riquezas incontáveis? Não, não e não. Os requisitos de Deus se resumiram a estes dois itens:
  •  Precisava ser um descendente direto de Davi (2 Sm 7:16).
  •  Precisava seguir ordens.
    José, um carpinteiro judeu, atendia às duas exigências. Sua linhagem chegava até o ancestral famoso, o rei Davi (Mt 1:1-16; Lc 1:27), e ele tinha o hábito de obedecer a Deus em todas as questões, grandes ou  pequenas. As Escrituras não falam muita coisa sobre José. Ele entra em cena abruptamente, no início da história do evangelho. Descobrimos que ele foi ‘‘um homem justo’’ (Mt 1:19) e que exercia o ofício de carpinteiro (Mt 13:55). Planejava se casar com uma jovem chamada Maria. Mas quando descobriu que ela carregava o filho de outra pessoa, decidiu romper o compromisso sem estardalhaço. Como José ficou sabendo da gravidez? Sua noiva lhe disse diretamente? Ou será que ele ouviu a notícia chocante por meio de amigos e familiares? Será que ele pensou algo como ‘‘bem, se Deus pôde enviar um anjo a ela para lhe contar, ele bem que podia mandar um para falar comigo’’? Seja qual for o caso, José decidiu se distanciar de Maria. Então aconteceu um segundo choque: Deus realmente permitiu que ele fizesse parte do segredo divino. Um anjo lhe apareceu num sonho e disse: ‘‘José, filho de Davi, não tema receber Maria como sua esposa, pois o que nela foi gerado procede do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados’’ (Mt 1:20-22).
     O anjo não deu nenhuma explicação. Não apresentou justificativas, não deu instruções adicionais, nem fez declarações de qualquer tipo - ainda assim, José apressou-se em cumprir a ordem de Deus.  Levou Maria imediatamente para casa, a fim de ser sua esposa e deu ao menino o nome de Jesus assim que ele nasceu. Em pelo menos três outras ocasiões, José recebeu instruções de um anjo em sonhos e, em todas elas, obedeceu de imediato (Mt 2:13-15, 19-21,22-23). Os leitores de hoje podem pensar: ‘‘Olha, se
eu recebesse uma mensagem de um anjo, eu também daria ouvidos’’. Será? Nem todas as pessoas citadas na Bíblia agiram assim. O poderoso rei Nabucodonosor da Babilônia ignorou o sonho que Deus lhe dera (Dn 4) - e terminou tomando café da manhã com o gado. O governador romano dos dias de Jesus, Pôncio Pilatos, ignorou que o Senhor enviara a sua esposa (Mt 27:19) - e terminou condenando à morte o homem que Deus enviara para trazer vida. José, porém, se apressava em fazer o que Deus pedia, tanto nas coisas ‘‘pequenas’’ (Lc 2:39,41) como nas ‘‘grandes’’. Este é o tipo de homem que Deus procurava para balançar o berço de seu Filho. E ainda é o tipo de homem que ele busca para balançar o mundo.

MORAL DA HISTÓRIA: Deus procura homens ávidos por fazer sua vontade.

(Texto extraído da Bíblia de Estudo Desafios de Todo Homem)

Nenhum comentário:

Postar um comentário